Blog

Novidades Linho Lev

Lesão: como reconhecer que este problema está chegando?

Todo mundo precisa aprender a ouvir o corpo para reconhecer os sinais de uma lesão.

Nosso corpo é sábio. Tanto que nos avisa antes de uma lesão chegar. E se você é uma pessoa que está atenta e sabe ouvir o corpo, pode reconhecer os sinais antes que surja alguma lesão.

Uma dor mais leve, a pulsação que está descompassada e até a queda do rendimento no esporte podem ser sinais de um problema iminente.

É vital ouvir o corpo para prevenir uma lesão que pode atrapalhar suas atividades por tempo indeterminado. A frustração e a apatia depois de problema como esse também são consequências que podem desanimar a continuidade do esporte. "Se você sentir qualquer dor em qualquer parte do seu corpo, não ache que isso é temporário, consulte um especialista. É melhor prevenir do que remediar", fala o médico Julio Grados, especialista em medicina esportiva. "As dores podem se manifestar de várias formas e em diferentes fases do exercício" comenta ainda. De acordo com o especialista, você tem que ter muita atenção para o desconforto que pode sentir no final de cada prática. "Precisamos muito do descanso para recuperar o organismo e fugir de lesões. Se sentir algum desconforto após o treino, talvez esteja sobrecarregado", completa o médico.

Note, ainda, se você está tendo um momento difícil no esporte e sentindo dores onde não sentia. "Uma coisa é a fadiga natural e outra, a dor; devemos aprender a distinguir", conclui.

 

Fonte: http://www.educacaofisica.com.br

Pesquisa revela como o exercício físico ajuda a proteger o coração

A prática regular de atividade física tem se firmado como uma importante forma de tratamento para a insuficiência cardíaca, revela estudo.

Os benefícios vão desde prevenir a caquexia – perda severa de peso e massa muscular – até o controle da pressão arterial, a melhora da função cardíaca e o retardo do processo degenerativo que causa a morte progressiva das células do coração e leva à morte 70% dos afetados pela doença nos primeiros cinco anos.

Um estudo da Universidade de São Paulo (USP), publicado na revista Autophagy, ajuda a elucidar parte dos mecanismos pelos quais o exercício aeróbico protege o coração doente.

“Basicamente, o que descobrimos é que o treinamento aeróbico facilita a remoção de mitocôndrias disfuncionais nas células cardíacas”, contou Julio Cesar Batista Ferreira, professor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB-USP) e coordenador do projeto.

As mitocôndrias são as organelas responsáveis por produzir energia para as células. “A remoção dessas organelas promove um aumento na oferta de ATP [adenosina trifosfato, molécula que armazena energia para a célula] e reduz a produção de moléculas tóxicas, como os radicais livres de oxigênio e os aldeídos reativos, que em excesso danificam as estruturas celulares”, acrescentou.

Segundo o pesquisador, o objetivo da pesquisa no longo prazo é identificar alvos intracelulares que podem ser modulados por meio de fármacos para promover pelo menos parte dos benefícios cardíacos obtidos com a atividade física.

“Claro que não queremos criar a pílula do exercício, isso seria impossível, pois ele atua em muitos níveis e em todo o organismo. Mas talvez seja viável, por meio de um medicamento, mimetizar ou maximizar o efeito positivo da atividade física no coração”, comentou Ferreira.

O trabalho de investigação vem sendo conduzido durante o mestrado e o doutorado de Juliane Cruz Campos, bolsista da FAPESP e orientanda de Ferreira.

Em uma pesquisa anterior, publicada na revista PLoS One, o grupo mostrou por meio de experimentos com ratos que o treinamento aeróbico reativa um complexo intracelular conhecido como proteassoma – principal responsável pela degradação de proteínas danificadas.

 

Fonte: https://goo.gl/DWtEku 

Sem mais desculpas: veja um guia para derrubar os pretextos mais comuns que alimentam o sedentarismo

Se você está achando muitas dificuldades para praticar exercícios, fique de olho nessas dicas. Para cada desculpa, tem uma boa resposta para incluir de uma vez por todas a atividade física na sua rotina.

O ambiente da academia não me agrada

A solução: se a sala fechada e barulhenta for o que perturba, busque as chamadas academias sustentáveis, que possuem mais áreas verdes e iluminação natural – e oferecem, inclusive, aulas a céu aberto. Para escapar totalmente de ambientes de malhação, a saída é se mexer ao ar livre, em parques. Vários dispõem de aparelhos de ginástica de uso gratuito, alguns até trazem placas acopladas com sugestões de exercícios. Mas é preciso ter disciplina para não desistir. 

 

Não gosto de musculação

A solução: antes de mais nada, lembre que a musculação não é feita só em aparelhos nem tampouco precisa ser sempre igualzinha. Os circuitos, compostos de diferentes exercícios com poucas repetições, mas em ritmo acelerado, costumam agradar a quem reclama de monotonia.

 

Não tenho companhia para a atividade física

A solução: tem muita gente na mesma situação e a estratégia é descobrir onde essas pessoas se encontram. Uma sugestão é ir atrás de grupos decorrida ou de bike. Ou, então, procurar atividades coletivas, como as danças ou lutas. Em geral, quem passa muito tempo sozinho vê no exercício físico uma maneira de conhecer pessoas, trocar ideias e até fazer negócios.

 

Não consigo ver resultado

A solução: estipule metas possíveis – assim, você não se frustra. Pode até ser perder 4 quilos em um mês ou correr em uma competição de 10 quilômetros, mas coloque seus desejos no papel, detalhando-os. Isso significa ter objetivos a curto e longo prazos, considerando seus limites e respeitando a resposta do seu corpo.

 

Tenho vergonha de malhar na frente dos outros

A solução: clínicas próprios para quem está muito acima do peso podem ser boas alternativas, conforme o fator que provoca a inibição. Vale também conferir se há aulas segmentadas por faixa etária onde você malha (existem programas para quem tem mais de 60 anos, por exemplo) ou por nível de conhecimento naquela prática (iniciante, intermediário ou avançado) Evite locais envidraçados, que intimidam, preferindo os que proporcionem maior privacidade, como salas fechadas e turmas reduzidas.

 

A preguiça é mais forte do que eu

A solução: Às vezes, é só uma questão de trocar o horário que tudo se resolve. É preciso descobrir em que momento do dia você se sente melhor, e não tem outro jeito de fazer isso a não ser considerar seu histórico e testar sua  disposição exercitando-se em vários períodos. E relembre por que quis se mexer: se queria emagrecer, melhorar a qualidade de vida etc.

 

Não tenho tempo

A solução: use a criatividade. Quem tem filho pode, no fim de semana, escolher um lazer que queime muitas calorias, como andar de patins e de bicicleta. E que tal programar viagens curtas de aventura? Atitudes cotidianas também ajudam a afastar o sedentarismo: troque o elevador pelas escadas, tente sair mais vezes a pé. Para quem quer um treino prático, a sugestão é pular corda: “Quinze minutos diários são suficientes, intercalando 30 segundos pulando e 30 descansando.

 

Fonte: https://goo.gl/vmg8gz

Dez dicas para iniciar uma atividade física

Encarar os exercícios como metas é fundamental para aderir a uma rotina mais saudável. Veja as 10 dicas que selecionamos para ajudar você a deixar a preguiça de lado e encarar as atividades físicas da maneira mais prazerosa.

1. Faça uma avaliação médica, principalmente se você tem mais de 35 anos ou, mesmo sendo mais jovem, se tem algum antecedente pessoal ou familiar de doença cardíaca, diabetes e problemas ósseos e articulares. 

2. Providencie os exames solicitados pelo seu médico. Assim ele poderá identificar algum problema em fase inicial evitando seu agravamento. 

3. Escolha um exercício que lhe agrade. Não vai adiantar, por exemplo, ir para uma academia se você prefere atividades ao ar livre.

4. Use os equipamentos adequados para a modalidade escolhida. Ciclistas devem usar capacetes e luzes de advertência nas bicicletas; para caminhadas ou corrida, roupas leves e tênis com bom amortecimento de impacto; musculação, luvas para evitar bolhas e calos nas mãos e assim por diante. 

5. Programe suas sessões de exercícios para a maioria dos dias da semana e em horários com temperatura agradável. No mínimo 3 dias alternados. Se os exercícios forem intensos e diários, um dia na semana é para o descanso obrigatório. 

6. Ouça seu corpo. É esperado que após longo tempo parado você sinta algumas dores. Porém, se elas forem persistentes é sinal de que a carga ou execução dos exercícios está inadequada.

7. Se alimente cerca de 30 a 40 minutos antes e até uma hora após os treinos. Ao contrário do que muitos imaginam, se exercitar em jejum e não comer após a atividade acaba queimando massa muscular e não a gordura corporal.

8. Hidrate seu corpo. Devem ser consumidos entre 300 e 500mL de água até 30 minutos antes da atividade e mais 200mL a cada 30 minutos. Em exercícios que durem mais de uma hora e que causem grande produção de suor vale a pena usar uma bebida isotônica.

9. Faça exercícios de alongamento e flexibilidade antes e principalmente após os treinos. Isso é importante para evitar encurtamentos musculares e problemas nas articulações. 

10. Se você é do tipo que não gosta de ficar sozinho, mesmo durante sua atividade física, convide um amigo ou parente para lhe acompanhar. Pode ser que vocês descubram mais um motivo para estarem juntos dividindo as alegrias de uma vida mais saudável e prazerosa. 

 

Fonte: https://goo.gl/Tjta4w

Como escolher a roupa certa para malhar?

A roupa deve privilegiar o conforto e favorecer os movimentos. Por isso, prefira peças funcionais, materiais específicos para a prática esportiva e tamanhos corretos. Cumpridos esses quesitos, é partir para a ação!

Tecidos tecnológicos

Eles ajudam no desempenho do atleta, incluem leveza e favorecem a evaporação do suor, pois possuem ventilação estratégica, transmitem conforto térmico e, dependendo da roupa, protegem da radiação ultravioleta – indicada para quem pratica esportes ao ar livre. No caso dos homens, os tecidos tecnológicos são ainda mais importantes. Eles suam mais durante os treinos e, por isso, devem procurar roupas que favorecem a evaporação do suor.

Meias

Prefira meias com algodão em sua composição, que ajuda a absorver o suor e diminuir o. As mais indicadas são as bem curtas, que ficam praticamente escondidas.

Leggings

As calças compridas ficam bem para todo o tipo de mulher. Aquelas que têm o corpo mais atlético podem usar as leggings que terminam na altura da panturrilha. Para as baixinhas, a dica é evitar usar as que terminam logo abaixo do joelho para alongar a silhueta. O equilíbrio ideal é combinar peças justas com outras mais largas, e curtas com outras mais compridas.

Sem barriga

Quem quer disfarçar os quilinhos a mais não deve usar short muito curto ou regata cavada, além de optar por cores mais sóbrias. Homens com pernas finas podem usar bermudas maiores (até a altura do joelho), desde que elas não comprometam os movimentos.

Cores

Se optar por uma peça com estampas florais, étnicas ou de bicho, combine-a com algo neutro. Caso estiver com roupas em tons sóbrios, dá para usar um tênis vibrante ou de contraste, mas, se roupa for bem colorida, o ideal é não combinar. 

 

Fonte: https://goo.gl/X33iwH

Rua Debora Scholl, 2260 - Bairro Hans Paff, Santo Ângelo - RS. Tel.: 55 3312 8489